elementhare@elementhare.com.br  |    71 3498-1540  |    71 98418-7997

 

  •  

Palestras

LUNCH-in com a Dra. Sandra Gordilho

ALIMENTAÇÃO, SAÚDE E VIDA.

Desde pequenos somos acostumados a lidar com medo, tristeza e angustia sempre com comida. Crescemos e continuamos a fazer isso nas nossas vidas. Vejo, hoje em dias, crianças pulando o café da manhã e indo para a escola, prejudicando o próprio crescimento e aprendizado. Percebemos um aumento significativo de crianças que utilizam aparelhos ortodônticos. Isso se dá a má formação óssea da criança e uma deficiência de alimentos mastigáveis na dieta.
O que a medicina pede não é a abolição de alimentos considerados “vilões”, mas sim uma boa base, com alimentos de verdade, para que o alimento “vilão” entre somente como um extra.
Os alimentos vem sendo modificados, passando por processos industriais cada vez mais intensos. E as pessoas acham que estão fazendo uma alimentação saudável mas não tem a cultura de analisar a tabela alimentar.
Resolvi abordar a questão da margarina X manteiga porque sou constantemente questionada. A margarina é pior por ser criada em laboratório, e o nosso organismo tem mais rejeição a alimentos não naturais. A margarina também é mais difícil de ser metabolizada.
Um paciente meu, lavrador, adquiriu câncer através de agrotóxicos. As pessoas andam exagerando muito no uso, até a banana está com um gosto diferente. O cidadão tem o direito de saber o que contém na sua comida, para assim fazer um julgamento consciente do que deve compor a sua dieta.
Estamos carente da chamada “The Real food”, a comida de Deus, aquela que vem diretamente na natureza. São elas: Carne, peixe, frango sem antibiótico, aimpim, batata, inhame, orgânicos, verduras e legumes.
O alimento light possue menor quantidade de calorias e gorduras, porém, mesmo assim as possue. E, nem por isso significa que são saudáveis e bons para ingerir. O alimento diet não possuem açúcar nem sal, porém, para compensar a falta desses condimentos, coloca-se outros tipos de corantes e adoçantes. Por isso, não são 100% saudáveis.
Os alimentos com 0% de gordura trans geralmente substituem essa gordura por óleo de palma. À essa substituição não existe nenhum tipo de estudo, por isso, insisto que devemos estudar os rótulos dos alimentos.
Muito mais importante do que a caloria do alimento, é o índice glicêmico. O sonho de valsa e uma porção de aveia possuem a mesma caloria, porém, o sonho de valsa é rapidamente transformado em carboidrato. É um alimento rico em gordura, já a aveia, limpa sua corrente sanguínea e o seu coração e é digerida pelo organismo como proteína.
Sobre os adoçantes, o sucralore é o único permitido nos EUA. O uso do aspartame é proibido e o agave é o mais natural de todos, muito parecido com o mel.
O índice glicêmico é o meu foco. É importante elucidar que quando se come muita glicose o organismo produz insulina como forma de controla-la. Em consequência, horas depois sua glicose vai estar baixa e você vai estar doido para ingerir glicose novamente. Uma solução é comer a glicose sempre atrelada a uma proteína. Um médico americano sustenta que esses picos de glicose que temos ao longo da vida causam oxidação e contribuem para o envelhecimento. Então a proteína balanceia o carboidrato, evitando os picos de glicose e previnem o envelhecimento.
Fazer exercícios em jejum é um erro, as pessoas pensam que fazendo isso queimarão gordura. Porém, esse mau hábito destrói a musculatura, por se encontrar muito mais acessível do que a gordura. Recomedo, antes de fazer exercícios físicos, ingerir: Pão integral, inhame, aimpim ou banana. E após os exercícios, iogurte, omelete sem óleo, peixe ou carne branca. Além de procurar comer em um intervalo de 3 em 3 horas.
O corpo é masculino! Na ausência do alimento adequado, rouba nutrientes do cabelo, pele e unhas para nutrir o cérebro. O jejum prolongado pela manhã, além de destruir a musculatura, trava seu metabolismo, pois o cérebro interpreta isso como falta e não como opção. Recomendo ao meus pacientes, pela manhã, um sumo com nutrientes de cores distintas para bem alimentar e ativar o cérebro. Nele deve conter: cenoura, beterraba, pedaço de gengibre, maça, rodelas de pepino. Devemos evitar a repetição de alimentos durante o dia e a semana.
Para quem busca o emagrecimento: evitar o carboidrato e aumentar a ingestão de proteína, atrelado a um exercício físico funciona 100% das vezes.
O envelhecimento causa um processo oxidante no corpo. Não devemos nos exercitar nem de mais, nem de menos. Os dois, resultam em um processo mais intenso de oxidação no corpo.
Hoje em dia, ouvimos falar do termo “Slow Food”, que faz referência a uma alimentação lenta, natural, feita em casa e de fácil digestão. È um verdadeiro sonho de consumo! Porém, a vida contemporânea e atribulada das pessoas dificulta esse tipo de prática.
Atualmente, o intestino já é reconhecido como o nosso segundo cérebro. Por produzir mais serotonina que o cérebro. Temos que nos lembrar dele e mastigar muito durante as refeições.
Para mim, só vale à pena trabalhar o externo quando se esta de bem com seu interior.

(Local: CONSISTE – Consultoria e Sistemas)